Facebook e Instagram alertam sobre tratamentos sem comprovação contra COVID-19 | Internet


O Facebook e o Instagram ampliaram os casos em que mostrarão avisos com informações confiáveis sobre a pandemia do novo coronavírus. Agora, os alertas das redes sociais vão aparecer também em posts que discutem tratamentos que não têm comprovação científica contra a COVID-19.

Facebook faz alerta sobre tratamentos sem comprovação contra a COVID-19 (Imagem: Divulgação)

Com o novo aviso, Facebook e Instagram indicarão que “alguns tratamentos não aprovados para a COVID-19 podem causar danos graves”. As mensagens informação que a fonte da informação é a OMS (Organização Mundial da Saúde) e permitirão acessar uma área com informações sobre a pandemia.

Os alertas chegarão para todos os usuários nas próximas semanas e serão exibidos em seis idiomas: português, inglês, espanhol, francês, árabe e indonésio. Em comunicado, o Facebook indicou que o objetivo é conectar as pessoas com informações seguras e atualizadas sobre prevenção e vacinas contra a COVID-19.

Facebook diz remover fake news sobre pandemia

O Facebook indica que tem adotado outras medidas para combater a desinformação sobre a pandemia. Uma delas envolve a redução no alcance de posts com conteúdos rotulados como falsos por agências de checagem de fatos. A plataforma afirma ainda que remove as alegações comprovadamente falsas, como a de que é mais seguro pegar COVID-19 do que tomar a vacina.

A companhia aponta que removeu 16 milhões de posts no Facebook e no Instagram que apresentavam desinformação que poderia levar a danos físicos. A empresa também anunciou a doação de US$ 120 milhões em créditos de anúncios em todo o mundo para veicular campanhas educativas de órgãos como o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O Butantan e a Fiocruz são as principais fabricantes das vacinas contra o coronavírus no Programa Nacional de Imunização (PNI). A iniciativa do Facebook no Brasil também envolve a Sociedade Brasileira de Imunizações, o site do médico Drauzio Varella e a rede Todos Pelas Vacinas.



Fonte Notícia