Preço médio de ativos digitais NFT despenca 70% em cerca de um mês | Finanças


Os tokens não fungíveis, ou NFTs, realmente dominaram o mercado e os noticiários nos últimos meses. Esse boom atingiu múltiplos setores, mas principalmente as indústrias de arte e música. Contudo, dados recentes indicam que a euforia já passou. O preço médio desses ativos caiu 70% na última semana em comparação ao seu pico no final de fevereiro, enquanto o volume das transações também despencou em 66%.

Boom dos NFTs acaba e preço médio dos tokens cai 70% (Imagem: Marco Verch/Flickr)

A plataforma de monitoramento e pesquisa de mercado NonFungible.com compilou dados da maioria dos marketplaces de NFTs e indicou que o preço médio por token ultrapassou os US$ 4 mil durante a última semana de fevereiro. Contudo, o número registrado nesta última segunda-feira (05) foi de apenas US$ 1.256, uma queda de aproximadamente 70%.

Volume semanal de transações cai em 66%

Essa tendência até poderia ser natural, ao passo que numericamente mais tokens vão a venda no mercado, porém outra empresa de pesquisa cripto, a The Block, também revelou que as vendas caíram drasticamente no mesmo período, tanto em faturamento quanto em número de transações.

O maior volume de transações vem da plataforma de negociação de NFTs chamada NBA TopShot. Inicialmente, o marketplace era dedicado a compra e venda de vídeos curtos de jogadas famosas do basquete.

Na última semana de fevereiro, todo o mercado de tokens não fungíveis registrou US$ 196,4 milhões em transações. Desse volume, a NBA TopShot foi responsável por 64%. Seis semanas depois, no final de março, a média semanal de usuários da plataforma caiu em 70%, enquanto as transações de todo o mercado diminuíram 66%, de acordo com os dados do The Block.

Volume semanal de transações de NFTs caiu 66% entre fevereiro e abril (Imagem: Reprodução/The Block)

Volume semanal de transações de NFTs caiu 66% entre fevereiro e abril (Imagem: Reprodução/The Block)

A curta febre dos NFTs

Por mais que os primeiros tokens não fungíveis tenham surgido em 2017, foi em fevereiro deste ano que a tecnologia realmente chamou a atenção. Inicialmente, ela se tornou uma ferramenta para artistas digitais autenticarem seus trabalhos em rede blockchain. Como resultado, obras em NFT passaram e movimentar fortunas, levando inclusive à venda mais cara da história, uma peça do artista Beeple que foi leiloada por US$ 69 milhões no início de março.

Após a tecnologia cair nos noticiários de todo o mundo, outros mercados passaram a aderir aos NFTs. Kings of Leon se tornou a primeira banda a lançar um álbum musical como token não fungível. Jack Dorsey realizou um leilão milionário da primeira publicação no Twitter e até mesmo a indústria pornográfica começou utilizar o recurso para combater a pirataria e a censura.

Assim como tudo que é novo, os NFTs chamaram muita atenção e a sua base exclusiva e colecionável impulsionou drasticamente os preços. Agora, a euforia já passou e o mercado está menos inclinado a gastar pequenas fortunas em tokens. Como ativos digitais, eles perderam espaço, porém a tecnologia segue tendo uma clara funcionalidade prática para diversas indústrias enquanto o seu valor agregado começa a encontrar um equilíbrio.

Com informações: CNN



Fonte Notícia