Pressionada pela China, dona do TikTok reforça segurança de dados antes de IPO

Pressionada pela China, dona do TikTok reforça segurança de dados antes de IPO
Curso Código Milinário


Avaliada como um dos maiores unicórnios do mundo — empresas que ultrapassam a avaliação de US$ 1 bilhão antes de abrir seus capitais —, a chinesa ByteDance decidiu adiar por tempo indeterminado sua chegada ao mercado de ações. Segundo uma reportagem do Wall Street Journal, a empresa criadora do TikTok foi aconselhada por autoridades chinesas a reforçar sua segurança de dados antes de fazer sua oferta inicial (IPO, na sigla em inglês) na Bolsa de Valores de Nova York.

Fontes ligadas à empresa afirmam que a decisão foi tomada no final de março, após o fundador Zhang Yiming se reunir com reguladores especializados em cibersegurança e em valores mobiliários. Na ocasião, o executivo foi aconselhado a reforçar em reforçar a segurança de seus dados e outras questões relacionadas, recomendação que está sendo seguida desde então.

Imagem: Divulgação/TikTok

Outro ponto que forçou o adiamento das aberturas das ações da ByteDance na bolsa de valores é que, na época, a corporação não possuía alguém ocupando o posto de diretor financeiro (CFO). Em dezembro de 2020, a empresa foi avaliada em mais de US$ 180 bilhões (R$ 936 bilhões) em uma rodada de financiamento, e relatos mostram que seus diretores já estudam há algum tempo a possibilidade de fazer uma oferta inicial de ações nos Estados Unidos ou em Hong Kong.

China aumenta pressões regulatórias

Desde novembro do ano passado, autoridades chinesas têm reforçado a fiscalização sobre as empresas de tecnologia que operam no país. Entre as preocupações do governo local está o comprometimento das informações destas companhias como resultado de uma maior divulgação de seus nomes após serem listadas nos Estados Unidos.

Outro ponto que tem recebido mais atenção é a forma como essas organizações usam e armazenam dados de usuários, garantindo que eles não são usados para violar os direitos de consumidores. Entre as companhias afetadas pelas mudanças nas regras estão grandes nomes como o Alibaba Group e a companhia de entregas Meituan.

Imagem: Divulgação/ByteDance

Enquanto empresas de tecnologia chinesas não são obrigadas a passar por uma análise de órgãos regulatórios para abrir suas ações no exterior, esse processo (feito de maneira informal) se tornou comum a partir do final de 2020. A mudança é uma consequência das tensões entre o país e os Estados Unidos, que teve efeitos diretos sobre a ByteDance — em meio à possibilidade de o TikTok ser banido do país, a empresa chegou a cogitar uma venda do app para a Oracle.

Além da pressão externa, a ByteDance também enfrenta questões internas. Embora não tenha recebido um pedido formal para adiar sua abertura de ações, a empresa teve que explicar ao governo chinês como coletava, armazenava e gerenciava dados de aplicativos populares como o Douyin (para a criação de vídeos curtos) e o Jinri Toutiao, que informa as notícias diárias.

Outro elemento que permite à companhia adiar sua entrada na bolsa é sua lucratividade: em junho, ela divulgou que teve receita de US$ 34,3 bilhões (R$ 178 bilhões) e lucro bruto de US$ 19 bilhões (R$ 98,73 bilhões) em 2020, muito disso graças ao sucesso de sua plataforma de publicidade. Isso ajudou a acalmar os ânimos de seus acionistas e garantiu a estabilidade necessária para que ela possa lidar com as recomendações de autoridades regulatórias antes de prosseguir com seus planos.

Fonte: Wall Street Journal

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.



Fonte da Notícia